Debates para elaboração do Plano de Desenvolvimento da Amrec ocorrem com lideranças e comunidade de Urussanga

Encontro virtual ocorreu na manhã desta quarta-feira

Os debates e reflexões da primeira etapa de elaboração do Plano de Desenvolvimento da Amrec chegaram ao município de Urussanga. Na manhã desta quarta-feira (19/8), um encontro virtual ocorreu entre lideranças política e econômicas e comunidade de Urussanga e a equipe da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) e do Centro Universitário Barriga Verde (Unibave). Durante a reunião foram elencados os desafios, as potencialidades e os sonhos para o Sul do Estado e para o município.

O objetivo do plano estratégico é levantar o que é necessário para que a região e os municípios tenham um desenvolvimento socioeconômico até 2030. Nesta primeira etapa, que teve início semana passada, 12 municípios poderão colaborar na construção do plano regional.

Confira o que os participantes da reunião elencaram sobre Urussanga:

Dificuldades/desafios

 Acesso e plano diretor: anel viário é necessidade para o município (facilitação de acesso à cidade); plano diretor – a cidade tem muitas áreas preservadas e rios que a cortam, então é um desafio o desenvolvimento do plano com sustentabilidade.

Turismo: falta consciência do potencial turístico; direcionar melhor o planejamento para o turismo; interconexão entre os potenciais turísticos do município com os da região; raízes culturais enfraquecidas e que precisam ser resgatadas; alguns casarões precisam ser melhor conservados; estação ferroviária precisa ser melhor desenvolvida; necessidade de uma política pública para cultura articulada com a política do turismo; os jovens estão se afastando das questões culturais; espaços públicos precisam ser melhor estruturados para exploração turística e enfraquecimento do Núcleo do Turismo.

Desenvolvimento da cidade: maior integração da atividade econômica local com as demais regiões; maior integração das entidades associativas regionais Amrec, Amesc e Amurel; energia elétrica cara; incentivos fiscais para o desenvolvimento econômico; implantar projeto que facilite o trâmite burocrático, principalmente na área industrial; incentivar a compra no comércio local; diferença de alíquotas ISS entre as cidades; ampliar a pluralidade econômica, expandir os negócios e ampliar a diversidade de produção.

Potencialidades

 Turismo: eventos, turismo de negócios, turismo ferroviário, arsenal cultural das Colônias Italianas; turismo rural, turismo ecológico e turismo cultural.

Economia: boa localização geográfica rota do Rio do Rastro; energia térmica; atração de empresas e serviços; comércio; pacto da Amrec para aproveitamento do potencial turístico; agricultura e fruticultura; mão de obra qualificada, economia mista.

 A cidade oferece: acesso à cultura e à educação; produtos coloniais; segurança – baixo índice de criminalidade; cidade pequena – qualidade de vida e potencial turístico.

Sonhos para o município

 Infraestrutura: água x exploração do subsolo; investimento em saúde; maior investimento em infraestrutura interna (pavimentação); integração do transporte coletivo que ligue o Balneário Rincão à Lauro Müller; escoamento inteligente; investir em malhas modernas; utilização de trem; porto seco; desenho urbano mais moderno, mas conectado com gestão de recursos naturais, ciclovias e educação modular (cidades inteligentes); centro de distribuição de insumos para a Serra; geração de energia termoelétrica – aproveitamento de rejeito, recuperação ambiental; cidade inteligente.

Turismo, agricultura e cultura: cultura resgatada e turismo como referência; preservação dos valores: interpretação do patrimônio; potencialização do turismo integrado entre todos os municípios da Amrec; turismo enogastronômico e de aventura; agricultura de precisão; consolidação do roteiro Serra Mar, desde Praia do Rosa (Imbituba) e Laguna com a Serra catarinense (Bom Jardim e Urubici) com rotas microrregionais.

Tecnologia e meio ambiente: referência em tecnologia para reter mão de obra do município; avanços na tecnologia; comércio local fortalecido e em expansão; meio ambiente natural recuperado; rios limpos e áreas degradadas reconstruídas e em uso; indústrias mais sustentáveis; Urussanga como referência em desenvolvimento sustentável e rejeitos de carvão reutilizados como energia.

 Debates com a participação de todos

 A pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da Unesc, Gisele Coelho Lopes salienta que a Universidade acredita no trabalho de forma coletiva para a construção de um projeto positivo. “Agradecemos por vocês terem confiado na Unesc e no Unibave para fazer esse projeto. Tenham nestas instituições comunitárias e da região, grandes parceiras.Queremos desenvolver um plano de forma colaborativa, pois acreditamos que quando todos, dos diferentes lugares que ocupam, a região toda ganha. Quando derrubamos os muros, conseguirmos construir algo com o DNA regional”.

A assessora técnica da pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional e coordenadora do Setor de Planejamento Institucional da Unesc, Almerinda Bianca Bez Batti Dias, também acolheu os participantes e pontuou a importância do plano para o fortalecimento dos municípios e da região.

O secretário de Turismo de Urussanga, Willian Rezende, agradeceu à equipe da Unesc e do Unibave e enfatizou a certeza do sucesso da iniciativa. “Temos a convicção que a união da equipe das instituições de ensino e a motivação das lideranças e comunidade, teremos resultados fantásticos para o nosso município e os demais”.

Dados para reflexões

Os coordenadores do Observatório de Desenvolvimento Socioeconômico e de Inovação da Unesc, Thiago Fabris e Melissa Watanabe, apresentaram indicadores de desenvolvimento sustentável e de desenvolvimento socioeconômico da Amrec e de Urussanga.

Segundo dados apresentados pelo Observatório de Desenvolvimento Socioeconômico e de Inovação da Unesc, em Urussanga, os componentes do Produto Interno Bruto (PIB) que é de R$ 794,243 milhões são: indústria (), serviços (), administração pública () e agropecuária (). Um dos pontos que chama a atenção em Urussanga é a expressiva participação do setor industrial no PIB: é maior que a média da Amrec, que é de 32% e de Santa Catarina, de 27%.

Em Urussanga, os setores que mais empregam formalmente são: indústria (3.728); serviços (1.569); comércio (817); construção civil (89) e agropecuária (76). Outro dado importante apresentado foi sobre o valor adicionado à economia a cada emprego formal gerado. Urussanga é o segundo município do Sul do Estado com o valor médio maior que o da região. No município, cada emprego formal gerado adiciona um valor de aproximadamente R$ 150 mil à economia, enquanto que na Amrec, a média é de pouco mais de R$ 100 mil.

Sobre a Amrec, a equipe da Universidade apresentou dados sobre variáveis que impactam o crescimento econômico da região. Cada R$ 1 pago em despesas públicas gera R$ 7,3. Cada US$ 1 em exportação ou importação contribui para o crescimento econômico de R$ 1,16. Cada pessoa que nasce ou vem morar na Amrec, acrescenta R$ 880 ao PIB. Cada emprego gerado, contribui em R$ 4.572 com o PIB e a principal variável que afeta o crescimento econômico é a educação. Em termos de matrícula no Ensino Médio, cada uma que é efetuada, gera R$ 7.156 ao PIB.

Foram apresentadas ainda macrotendências mundiais, como intensificação de demanda por alimentos, expansão de entretenimento e turismo, infraestrutura moderna e competitiva, envelhecimento da população e mudança no padrão da produção, para fomentar a reflexão do que o município pode fazer para se beneficiar delas.

Plano de Desenvolvimento da Amrec

A primeira etapa da formulação do plano estratégico contemplará 12 reuniões com lideranças políticas e empresariais dos municípios.

O trabalho será dividido nos quatro momentos de: Diagnóstico; Setores-chaves e eixos e objetivos estratégicos; Projetos estratégicos e Modelo de Governança, todos virtuais, com número de encontros e datas pré-definidas. Ao longo dos próximos meses a Universidade trabalhará em debates e pesquisas junto as equipes de todas as prefeituras em um processo que conta com 20 encontros, divididos em sete etapas de trabalho.

Nesta quarta-feira (19/8), os debates continuarão com Treviso, das 14 às 17 horas. Nesta quinta-feira (20/8), o encontro virtual será com Siderópolis, das 9 às 12 horas. Sexta-feira, a primeira etapa do plano encerrará com Criciúma das 9 às 12 horas e Lauro Müller, das 14 às 17 horas.

Os interessados em contribuir com o Plano de Desenvolvimento Socioeconômico da Amrec podem o fazer respondendo a Consulta Pública. O questionário online pode ser acessado aqui (https://bit.ly/3kPG5CF) ou no site da Universidade, logo na página inicial entre os banners que aparecem no topo da página.